O que é social commerce e como usá-lo nas suas estratégias?

Social commerce: imagem de um dedo em direção a tela de um celular com ícones de wifi, nuvem, arroba e curtidas saindo da tela.

Quem não gosta de fazer compras online e ficar animado com a expectativa de receber o produto em casa, boa pessoa não é!

Agora, seja sincero, de todas as suas compras, quantas vezes você procurou pelo nome da empresa no Google para encontrar a loja virtual, e quantas vezes foi impactado por uma marca nas redes sociais quando descobriu um produto?

Pois é, não há como negar o poder das redes sociais para o comércio on-line e até mesmo off-line. Já que além de comprar, os consumidores usam esses canais para pesquisar ofertas, tirar dúvidas, buscar opiniões, ou seja, se sentirem confiantes antes de comprar algo.

O famoso “boca a boca” hoje, com as redes sociais, tomou proporções gigantescas. Você, como consumidor, já deve ter usado deste artifício: leu algum comentário sobre o produto, pediu indicação para um amigo ou indicou um serviço que gostou.

Tudo isso faz parte do Social Commerce, uma estratégia de marketing poderosa para marcas que desejam ser facilmente localizadas, receber avaliações do público, aumentar o seu fã-clube e, claro, alavancar o número de vendas!

O que é social commerce?

Social commerce, ou comércio realizado nas redes sociais, é considerado o ato de comprar um produto ou serviço de forma nativa nas plataformas de redes sociais, como Facebook, Instagram, Pinterest ou WhatsApp.

Mas ele não se limita apenas no ato da compra em si, também se faz presente na interação que as redes sociais proporcionam com a troca de informação sobre os produtos da marca.

Desta forma, o consumidor tem a possibilidade de emitir sua opinião e classificar a qualidade tanto do produto como do atendimento realizado durante o processo de compra.

Quais são as vantagens para o seu negócio?

Entre as principais vantagens do social commerce estão a possibilidade de gerar autoridade e passar confiança para os consumidores por meio da famosa Prova Social.

O que também torna a marca mais “humana”, à medida que promove a interação entre seus clientes, sana suas dúvidas e atende suas solicitações.

Uma pesquisa idealizada pela Consumoteca e pelo Zoom mostrou que 21% dos entrevistados confirmaram que levam em conta a avaliação do produto para a sua escolha final. Além disso, 32% buscam sites de reclamação para verificar a reputação da empresa.

Você confiará mais em um produto se alguém estiver confirmando que ele é bom, não é mesmo?

Sem contar que atualmente temos mais de 3 bilhões de usuários ativos nas redes sociais em todo o mundo!  São mais de 2,6 bilhões apenas no Facebook! No Brasil, são mais de 130 milhões de perfis ativos na plataforma!

Imagine a quantidade de clientes que você pode gerar ao colocar em prática estratégias de marketing com foco no social commerce?

Só de imaginar o tempo que os usuários gastam nas redes sociais já dá para ter uma ideia da oportunidade de se relacionar com esses consumidores. O relatório Digital in 2019, do site We Are Social, aponta que a média dos brasileiros são aproximadamente 3 horas e meia online nas redes sociais diariamente.

Talvez isso aumente ainda mais. Em 2019, por exemplo, foram 10 milhões de novos usuários brasileiros em redes sociais, um aumento de 8% em relação ao período anterior. Com a pandemia do novo Coronavírus e o isolamento social, algumas pesquisas indicam que esses números aumentaram.

Quais são tipos de social commerce e as ferramentas utilizadas?

Existem diversos tipos de social commerce e ferramentas que podem ser utilizadas para isso, que vão desde redes sociais, sites específicos para comercialização de produtos, fóruns e até widgets ou aplicativos integrados a lojas virtuais.

Entre pessoas

O tipo básico de social commerce é entre pessoas. Você pode criar seu negócio ou até mesmo vender algum item que não quer mais em plataformas como o Mercado Livre, OLX, Enjoei, entre outras. Você pode também anunciar em grupos ou no Marketplace do Facebook.

Dependendo do nicho em que você deseja atuar, existem aplicações específicas que ajudam a fazer negócio com outras pessoas, como o Airbnb por exemplo. Se você tem um espaço pra alugar, seja seu, ou se você é um corretor de imóveis, pode anunciar no site/app e aproveitar toda a força do social commerce desenvolvido nesta rede.

Compras coletivas

Você já deve ter ouvido falar do Groupon ou Peixe Urbano, certo? Eles fizeram um sucesso gigante no final da primeira década dos anos 2000.

As compras coletivas são uma forma de social commerce que estimula a venda de um item através de alguns gatilhos.

Primeiro, o fato de que várias pessoas também comprarão a mesma oferta e, por isso, deve ser algo vantajoso. Segundo, estimulam um gatilho de escassez, visto que as ofertas são por tempo e quantidade limitadas.

Compras colaborativas

Outra forma bastante comum e que vem crescendo ao longo dos anos são as compras colaborativas. Diversas pessoas se unem para colaborar com a compra, criação ou produção de algum produto.

Kickante, Catarse, Vakinha, são alguns exemplos. Nestes sites alguém cria um objetivo e pede uma quantia em dinheiro. Cada pessoa colabora com o que pode e, dependendo do caso, pode receber recompensas de acordo com o valor doado.

Vendas em redes sociais

Uma das formas de social commerce que mais cresce é a possibilidade de vender através das próprias redes sociais.

Hoje já é possível criar sua loja através do Facebook e Instagram. Por lá você consegue cadastrar imagens, descrições e linkar com o sistema da sua loja virtual ou outros serviços de pagamentos.

Recentemente foi anunciado o pagamento pelo Whatsapp, ou seja, até o app de mensagens terá um recurso para facilitar o processo de compra e venda entre os usuários.

Quais redes sociais utilizar?

Sabendo que as vendas em redes sociais são parte importante da estratégia de marketing, surge a dúvida: em quais delas você deve investir?

A seguir, vamos apresentar os canais mais utilizados para social commerce, para que você possa entender suas características e avaliar se podem servir para alcançar seus objetivos.

Facebook

O Facebook é uma das redes mais qualificadas para desenvolver uma boa estratégia de social commerce.

A plataforma conta com uma ferramenta onde você pode criar sua loja virtual dentro da própria rede. Dá para adicionar produtos, montar uma galeria e linkar com sua loja virtual.

Em breve também será disponibilizado para todos os usuários o Facebook Shops, que promete integrar Instagram, Facebook, Messenger e Whatsapp para criar uma loja virtual única, completa.

Assim, seu público poderá comprar pelo Insta ou Face, proceder com pagamentos de forma rápida e segura, além de tirar dúvidas em tempo real pelo Messenger ou WhatsApp.

Mas antes mesmo do Facebook Shops chegar, temos empresas que mostram bons exemplos na rede social.

O Magazine Luiza, através do programa Parceiro Magalu Divulgador, permite que qualquer pessoa crie uma página e uma loja na rede social e coloque os produtos vendidos em seu site. O divulgador cria um link especial e, quando alguém finaliza uma compra através dele, recebe uma porcentagem em forma de comissão pela venda.

Social commerce: imagem da página da Magalu no Facebook

Mas, além do recurso de vendas com uma loja no Facebook, também é possível fazer o social commerce de outras maneiras na rede, como investir na criação de conteúdo, divulgar reviews e opiniões de seus usuários, além, é claro, de investir em anúncios no Facebook.

Instagram

Assim como o Facebook, também é possível ter uma loja no Instagram. Na verdade, como as duas redes sociais são do Marck Zuckerberg, ao configurar sua loja no Facebook, ela já fica disponível no Insta. Inclusive neste post nós explicamos o passo a passo para você montar a sua.

A grande vantagem das lojas no Instagram é que você pode postar fotos e marcar os seus produtos, tanto no feed, quanto nos Stories. Assim fica muito mais fácil e prático para os usuários clicarem em tudo que você divulgar.

Um bom exemplo é a loja Bite Peças e Tintas, que vende peças para carros e caminhões, além de tintas e acessórios para pintura.  Ao acessar a guia da loja no Instagram da marca você confere diversos produtos que foram integrados com a loja virtual.

Social commerce: imagem do perfil da Bite Peças e Tintas no Instagram

Além disso, o Instagram também pode ser usado como uma excelente ferramenta de relacionamento com o público. Em que você pode publicar novidades, a rotina dos bastidores e até mesmo compartilhar o conteúdo gerado pelo usuário, aumentando a prova social e a autoridade da sua marca.

Pinterest

O Pinterest é outra rede que funciona muito bem para estratégias de social commerce. É possível usar a plataforma quase da mesma forma que a loja do Instagram, pelo Pinterest Shopping.

Os recursos da loja do Pinterest são extensos e permitem que você faça todo o processo de vendas, inclusive contando criação de anúncios e análise de tráfego.

A Natura, por exemplo, notou a capacidade desta rede, vendo que seu público já estava lá, procurando por imagens e vídeos sobre maquiagens e afins e, portanto, decidiu investir, aumentando imensamente o tráfego para seu site e sua força na rede social.

Social commerce: imagem do perfil da Natura no Pinterest

5 dicas de como adotar o social commerce no seu negócio

Agora que você já sabe como o Social Commerce pode ser vantajoso para o seu negócio e quais redes sociais são mais indicadas, é hora de conferir algumas dicas e fazer a coisa acontecer!

1 – Foque nos seus melhores produtos com o menor custo

Nas suas estratégias de marketing com foco no social commerce é importante que você selecione seus melhores produtos. Afinal, mesmo que você crie uma loja nas redes sociais, nem sempre é possível colocar on-line todos os produtos que estão disponíveis na loja física ou no e-commerce.

Além disso, é preciso prezar por uma clareza nas informações, com layouts leves e despoluídos. Por isso, a importância de focar apenas naqueles produtos que geram maior lucratividade. Isso vale também para a criação de anúncios, foque nos anúncios para os produtos que trazem um melhor resultado.

2 – Utilize as ferramentas certas para a sua estratégia

Você vai encontrar ferramentas para fazer praticamente tudo na internet. Portanto, é importante que você conheça cada rede social e como cada ferramenta funciona e de que forma ela pode te ajudar.

Você precisará usar ferramentas para edição de imagens, vídeos, gestão de redes sociais e geração de relatórios, entre outras funcionalidades. Sabendo o que usar e qual o momento certo, você tem um ganho de produtividade imenso.

3 – Faça parceria com influenciadores e incentive o UGC

Se você souber usar bem o poder do marketing de influência conseguirá aproveitar a credibilidade de um influenciador para ganhar seguidores e clientes para o seu negócio.

Algumas pesquisas mostram que a opinião de influenciadores já é a segunda maior responsável pela decisão de compra das pessoas, perdendo apenas para a opinião de amigos e parentes.

Já falamos sobre as provas sociais e como a opinião de outros usuários é importante, certo? Por isso, invista em influenciadores, mas não se esqueça de incentivar o User Generated Content (UGC), aquele conteúdo gerado pelo usuário.

Compartilhe a opinião dos seus clientes, marque seus posts, crie uma conversa, responda e até mesmo envie produtos e mimos para que eles se sintam felizes e se tornem advogados da sua marca.

4 – Fique atento à reputação da sua marca

É importante que você faça o monitoramento da marca, não apenas vendo o que seus clientes comentam nos seus posts, mas também o que eles podem estar falando em outros cantos da Internet.

Você pode procurar por palavras-chaves nas redes sociais, pesquisar as reclamações e reputação da sua marca no Reclame Aqui ou usar ferramentas específicas de monitoramento para fazer uma pesquisa completa sobre sua empresa na Internet.

5 – Avalie sua estratégia e proponha melhorias

Não precisamos nem entrar em muitos detalhes, né? Você sabe que é essencial no marketing digital fazer a análise constante das suas estratégias.

Além disso, as redes sociais mudam a cada dia. Por isso, a estratégia de social commerce que faz sucesso hoje, pode não funcionar mais amanhã.

Por isso, sempre reavalie as suas estratégias, acompanhe as novidades do mercado digital, traga novidades para suas lojas virtuais e não deixe de fazer promoções e conferir o processo de finalização de compra, para evitar que seus clientes abandonem muitos produtos no carrinho.

Aliás, aproveitando o assunto, sugerimos que você saiba um pouco mais sobre o Facebook Pay, o serviço de pagamentos da rede social, que facilitará as suas estratégias de social commerce.

Agora sim você pode botar a mão na massa e começar a usar as redes sociais para criar uma verdadeira máquina de vendas!

Facebook Comments
Gestão de redes sociais Entenda por que a mLabs é a ferramenta de gerenciamento de redes sociais escolhida por mais de 120 mil marcas!

Posts relacionados