Preço por inbox: saiba o porquê você deve ou não informar o preço dos produtos 

Preço inbox: imagem vetorizada de um envelope com uma notificação em vermelho. O objetivo é representar um novo e-mail na caixa de entrada.

Imagina o seguinte cenário: ao rolar o feed do Instagram, um cliente potencial encontra aquela calça jeans que ele tanto queria no perfil da sua loja.

Até aí, tudo parece perfeito. Mas, na descrição do seu post o valor da calça não é especificado. Ao invés do preço, você coloca a chamada “preço por inbox”.

É nesse momento que muitos usuários ficam insatisfeitos – por ter que falar com um atendente só para saber o valor do produto – e acabam desistindo, ou pior comprando da concorrência.

Se você adota esta prática na sua estratégia de marketing, saiba que informar o preço por inbox, além de prejudicar a experiência de compra, é errado e infringe a lei do Código de Defesa do Consumidor.

O que é preço por inbox  

O preço por inbox é uma prática comum entre vendedores que não têm um e-commerce, afiliados ou lojistas que trabalham para marketplaces.  

Esta é uma situação recorrente nas redes sociais, em que os perfis das lojas decidem ocultar o valor dos produtos anunciados.  

Na legenda das publicações, ou ao serem questionados sobre o valor dos itens nos comentários, os perfis avisam que o preço será divulgado por inbox, ou seja, via mensagem privada na rede social. 

Seja para criar uma expectativa no consumidor ou para aumentar a interação com a conta, o fato é que, mesmo que o vendedor não tenha um site, as relações de compra e venda estabelecidas nas redes sociais devem seguir as regras do Código de Defesa do Consumidor. 

Informar o preço via inbox é crime

Apresentar o preço dos produtos apenas por inbox é uma prática criminosa e vai contra a Lei 13.543/2017. Segundo a lei, nenhuma empresa pode ocultar ou dificultar o acesso do consumidor ao valor de uma mercadoria ou serviço. 

E tem mais, o lojista que implementar essa ação também fere os artigos 6º e 66º do Código de Defesa do Consumidor. Veja sobre o que se trata cada artigo: 

Art. 6º, III – A informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem. 

Art. 66º – Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços. 

Ou seja, a prática está sujeita a processos ou outras penalidades do Procon, como multas, apreensão do produto, interdição do estabelecimento e suspensão temporária da atividade comercial. 

Além disso, oferecer o preço por inbox abre margem para outra ação inadmissível: a aplicação de preços diferentes a um mesmo item.  

Como os lojistas anunciam de forma privada o valor do produto, não há garantia de que o mesmo preço será divulgado a todos os consumidores.  

Além de ser crime, veja 4 motivos para não passar o preço por inbox  

Que divulgar o preço via inbox é crime, você já sabe. Mas existem outros motivos prejudicais para a marca não cair nessa furada — que pode impactar (e muito) as vendas no ambiente digital. Se liga em quais são eles! 

Dificulta o processo de compra do cliente 

Segunda pesquisa realizada pela Forbes / Arm Treasure Data, 74% dos consumidores escolheriam outra empresa se o processo de compra de determinada marca fosse muito difícil. 

Imagina quantas vendas uma empresa pode perder ao oferecer um empecilho como o preço por inbox? Aguardar uma mensagem por direct pode ser um dificultador do processo de compra e desmotivar os clientes. 

Impacta no autoatendimento 

O autoatendimento é uma tendência no mercado que propõe que o consumidor realize a compra de forma autônoma, sem a necessidade de interação humana. 

Divulgar o valor de um item por mensagem privada impacta diretamente nesse autoatendimento. Afinal, o consumidor precisa aguardar o preço no inbox para que, só então, possa decidir se vai ou não concluir a compra. 

Diminui as chances de compras por impulso 

Com consumidores mais conscientes, a tendência é que as compras por impulso diminuam ao longo do tempo. Mas, esse tipo de prática ainda é uma realidade e ajuda a gerar receita para os comércios virtuais. 

Ao ocultar o preço de um produto, os vendedores afastam os potenciais clientes e fazem com que tenham tempo para pensar se a compra é, de fato, necessária. Uma ação simples pode causar a perda de diversas oportunidades de venda.  

Gera mais trabalho à equipe de vendas 

Imagina entrar em contato por direct com cada cliente que quiser saber o preço de um produto? Que trabalhão! 😓 

O preço por inbox diminui a produtividade e causa um trabalho desnecessário à equipe de vendas e gestores das redes sociais, que poderiam utilizar o tempo gasto para realizar ações de marketing mais estratégicas. 

Como divulgar o preço do produto de maneira estratégica para vender mais 

Como você pode ver, não há motivos para não divulgar o valor dos produtos. Pelo contrário, se a divulgação for feita de maneira estratégica, as chances de aumentar as vendas são enormes.  

Confira algumas dicas para exibir o preço das suas mercadorias e melhorar os resultados de vendas da sua loja!  

imagem de um banner publicitario com chamada para acessar uma aula gratuita sobre criação de posts da mLabs

Use a estratégia de ancoragem de preço 

A ancoragem de preço é uma técnica de vendas que consiste em apresentar ao consumidor produtos similares, um ao lado do outro, sendo que um deles tem um valor mais alto, mas oferece mais benefícios. 

Dessa maneira, você trabalha com o psicológico do cliente, que terá a percepção de que o produto mais caro tem um preço mais “justo” quando comparado às outras opções, o que aumenta as chances de compra deste item. 

Esta publicação do Tio Coxinha de Ilhabela é um ótimo exemplo de ancoragem de preços. Ao comparar os preços entre os copos pequeno, médio e grande, a marca induz o consumidor a escolher o item mais caro, mas que apresenta um melhor custo-benefício: 

Ofereça o valor em parcelas 

Pesquisas do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) revelam que 79% dos brasileiros têm o hábito de parcelar suas compras.  

O valor parcelado é mais atrativo ao inconsciente do consumidor, que entende que o preço é acessível e que o produto está em boas condições de compra. Experimente usar a estratégia ao anunciar seus produtos. 😉 

No exemplo abaixo, a loja Santo Sofá aplicou a técnica na legenda da publicação, e apresentou o valor do produto também parcelado, tornando a compra mais acessível para o bolso do consumidor: 

Aplique a técnica de valores quebrados  

Você já deve ter reparado que muitos produtos têm preços com valores quebrados, como R$ 19,99. Esta é uma estratégia de gatilho mental que costuma dar bons resultados. 

Isso acontece porque o cérebro humano costuma se apegar mais aos números à esquerda, que representam os reais. Um centavo não é uma grande economia, mas a técnica evita que o número à esquerda fique mais “cheio”.  

Por exemplo: ao ver o número R$ 99,99 ao invés de R$ 100, inconscientemente, o consumidor tem a sensação de desconto, o que ameniza o sentimento de culpa por gastar um valor elevado. 

Dá uma olhada em como a loja Stilus Moda usou a técnica de valores quebrados para divulgar o preço de um tricot. Na legenda, a estratégia também é usada para informar o valor de outras peças: 

Use o senso de urgência 

O senso de urgência é outra técnica que pode ser usada para divulgar o preço de um produto. As campanhas promocionais podem ser acompanhadas de termos que estimulem a sensação de urgência na compra, como: “agora”, “últimas peças” e “não perca tempo”. 

Nas redes sociais, uma dica é utilizar recursos de contagem regressiva, como o sticker dos Stories no Instagram, para informar o término de uma promoção e reforçar a escassez da oferta. 

Aposte no contraste visual nas ofertas 

Quando o assunto é preço psicológico, além do valor do produto, é preciso estar atento ao design dos anúncios. Estilo, tamanho das fontes, cores, formatos, tudo isso influencia na percepção do consumidor sobre as ofertas. 

Estratégias como posicionar o valor original do item em tamanho pequeno e o valor promocional ao centro, com uma fonte maior, tendem a dar certo.  

Olha só como a marca Croasonho divulgou o valor promocional de um combo de croissants. Há um contraste nas cores aplicadas na imagem e um elemento visual em formato de etiqueta destaca a oferta: 

Mas para que a técnica funcione no seu perfil, lembre-se de criar promoções com linguagem específica para o seu público-alvo. 

Dá uma olhada neste nosso outro conteúdo e confira dicas para criar posts incríveis, mesmo sem ser um designer. 😉  

Apresente o desconto em porcentagem 

Imagine que um produto custe R$ 50. Qual destes descontos parece mais vantajoso: 20% ou R$ 10? Eu poderia apostar que você escolheu os 20%, mesmo que, no fim das contas, os descontos sejam iguais.  

Isso acontece porque o nosso cérebro tende a acreditar que, neste caso, o número maior trará um desconto maior. Por isso, é importante apostar nas estratégias certas para que o consumidor sinta que está economizando e tendo acesso a vantagens. 

Em seu perfil no Instagram, a loja Império do Banho anunciou um saldão de descontos e evidenciou o valor da promoção em porcentagem: 

Agora, você já sabe que, além de ser ilegal, informar o preço por inbox pode impactar negativamente nas vendas de uma empresa. Aproveite as nossas dicas para divulgar o valor das mercadorias e impulsionar as vendas.  

O próprio Instagram oferece uma funcionalidade para facilitar a divulgação e venda de produtos online, o Instagram Shopping. Leia nosso post sobre o tema e veja tudo o que você precisa fazer para ativar a sua loja no Instagram! 

Facebook Comments
Quer mais conteúdo como esse? Inscreva-se na nossa Newsletter!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade e com os Termos de Uso.

Posts relacionados