Mapa da Empatia: desenhe o perfil do cliente ideal

Mapa da empatia: imagem de um quadro cheio de post its colados

Decifrar a mente do cliente é uma tarefa quase impossível! Pouco adianta criar uma campanha de marketing nas redes sociais com base em suposições, sem saber de fato se os seguidores vão aderir. E, para garantir o sucesso da campanha, criar um mapa da empatia é essencial!

Por meio dele é possível se colocar no lugar do público e saber exatamente como ele pensa, o que ele gosta, o que ele faz no seu dia a dia e como ele interage com outras pessoas no seu ambiente.

Se você acha que essa ferramenta pode te ajudar, continue com a gente. Neste post, vamos mostrar o que é o mapa da empatia, quais os seus benefícios e como montar um na prática. Vamos lá?

O que é o mapa da empatia?

O mapa da empatia é uma ferramenta simples, muito usada no marketing, que tem como objetivo principal desenhar o perfil do cliente ideal de uma marca. Mais do que saber o nome, gênero e idade, a ideia é se colocar no lugar do consumidor para entender suas reais necessidades.

Ou seja, com a ajuda do mapa, a marca consegue conhecer os sentimentos, os pensamentos e as dores dos seus potenciais clientes. Desta forma, compreendendo melhor o que eles desejam para acertar a mão na hora de oferecer seus produtos e serviços.

Entendeu como funciona na teoria? Agora, dá uma olhada no visual do mapa da empatia. Ele é fácil de ser preenchido e mais fácil ainda de ser interpretado. São apenas algumas perguntas fundamentais para a construção do perfil do cliente ideal.

Mapa da empatia

Como preencher o mapa da empatia?

O mais importante é fazer uma avaliação profunda da persona antes de preencher o mapa da empatia. Lembre-se que essa ferramenta será usada como uma guia para produzir um conteúdo de qualidade, por isso, precisa ser preenchida com muita atenção.

Então, depois de estudar o comportamento da persona, é hora de começar o preenchimento do mapa. Nossa dica para completá-lo é preencher aos poucos, por etapas.

Comece pelas respostas mais simples, como nome e idade, use um nome fictício e a idade da persona já trabalhada pela marca. E, se a marca ainda não tem uma persona, você pode usar a faixa etária do público-alvo. Para isso, faça um recorte na média de idade que deseja alcançar.

Assim, que você cumprir a primeira etapa chega o momento de responder as questões mais complexas. Nessa fase, o ideal é sentar com toda equipe, fazer um brainstorming para discutir sobre cada pergunta individualmente. Veja, quais são elas:

O que ela pensa e sente?

Quais são os principais sentimentos dessa persona? Quais os sonhos dela? Ela sente desejo por algum produto ou serviço específico? Como ela consegue se sentir realizada?

O que ela ouve?

O que essa persona leva em conta na hora da tomada de decisão? Quem e onde ela ouve essas opiniões? Ela tem acesso aos meios de comunicação? Quais são eles? Quais são suas principais redes sociais? Quem são seus ídolos e influenciadores?

O que ela vê?

O que a persona mais gosta de ver no dia a dia? Ela prefere assistir ao seu programa favorito em qual canal de mídia? Quais são os principais e mais importantes estímulos visuais dela?

banner publicitário sobre geração de relatórios dashgoo by mLabs

O que ela fala e faz?

Sobre qual assunto a persona mais gosta de conversar? Ela faz algo rotineiramente? Se sim, o que? Quais são os Hobbies preferidos dela? Qual o seu discurso?

Feito isso, chega o momento de conversar com a equipe sobre dois aspectos superimportantes e, provavelmente, mais demorados para responder: as dores e as necessidades da persona.

Quais são suas dores?

O que afeta negativamente essa persona? Quais são seus obstáculos? Quais são seus desafios? Quais são suas frustrações? Quais são seus problemas? Ela precisa de algo que não está sendo atendido?

Quais são suas necessidades?

O que ajudaria essa persona? O que tornaria seu dia a dia mais leve e melhor? O que é necessário para a vida dela? O que falta para essa persona se sentir realizada e totalmente feliz?

Pronto! Depois de finalizar todas as perguntas, você terá concluído o mapa da empatia.

3 benefícios do mapa da empatia para o marketing

O mapa da empatia é uma ferramenta incrível para direcionar suas estratégias de marketing nas redes sociais. Com ele, você terá mais conhecimento do cliente ideal e poderá mirar suas campanhas no público certo, pelos canais que ele acessa e com o tom de voz que o agrada.

Perfeito, não é mesmo? Está pensando como o mapa da empatia pode ser útil no seu dia a dia? Confira, 3 benefícios que separamos sobre a ferramenta. Olha só!

Fácil de preencher e com baixo custo

O mapa da empatia é muito útil, e pode ser preenchido em um tempo reduzido se comparado a muitas outras ferramentas de marketing disponíveis no mercado.

Além disso, ele tem um baixíssimo custo. As agências, profissionais de social media ou até mesmo as empresas podem preencher esse instrumento de maneira totalmente online, sem qualquer impressão.

Aquelas que preferirem podem confeccionar um quadro, escrever numa lousa, usar post-it ou algo mais simples. Tudo depende da verba, mas em todos os casos, o custo não é alto, o que é ótimo para todos!

Direcionar ações para o público certo

A maior vantagem da ferramenta são as informações que ela oferece para o direcionamento das ações de marketing. Depois de preencher o mapa, é possível conhecer muito melhor a persona, seus desejos e necessidades.

Com todas essas informações, a marca consegue tirar Insights valiosos para melhorar sua comunicação com o público nas redes sociais, como adaptar o tom de voz e fazer posts mais assertivos.

Simples de visualizar e analisar os dados

O dia a dia do profissional de marketing é super corrido, não é mesmo? Então, nada melhor que uma ferramenta prática e de fácil visualização para facilitar o planejamento das ações.

E, caso você queira tirar alguma dúvida ou relembrar alguma informação sobre a persona, não precisa acessar nenhum sistema, ou procurar informações em base de dados, basta bater o olho no mapa da empatia e você já consegue as informações.

E, como os dados são bem distribuídos, não é preciso de muito tempo para fazer uma análise profunda e entender todo conteúdo. O visual simples facilita a produção de conteúdo mais eficiente.

Como fazer um mapa da empatia que funciona?

O significado da palavra empatia, praticamente, já responde à essa pergunta. Empatia é se colocar no lugar do outro, ou seja, para montar uma mapa que funcione é preciso enxergar como o cliente, entender suas necessidades e desejos.

Quando for preencher o mapa, você não pode levar em conta os seus interesses e gostos pessoais. É preciso pensar como o usuário. Portanto, se você julgar necessário, crie uma conversa com um cliente real, para coletar as informações diretamente com ele.

Afinal, o mapa da empatia só funciona se você realmente for empático!

Ah, se além do mapa de empatia, você quiser se aprofundar em outros conceitos para desenvolver um bom conteúdo nas rede sociais. Leia também, nosso post sobre marketing de conteúdo e aprenda como fundamentar suas estratégias.

Facebook Comments
Quer mais conteúdo como esse? Inscreva-se na nossa Newsletter!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade e com os Termos de Uso.

Posts relacionados